Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Um novo Mundo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Um novo Mundo em Qua Jan 20, 2010 7:15 pm

Ametista







Um Novo Mundo, de Eckhart Tolle, é o que se pode chamar de um livro certo no momento certo. Muitas pessoas estão sentindo uma sensação de urgência, como se algo tivesse que acontecer – como se algo precisasse mudar antes que seja tarde demais. Mas o que, e como? É para esses leitores que Tolle escreve. Seu livro é não apenas um manual prático para produzir tal mudança; ele oferece inspiração filosófica. Dá esperança ao leitor porque nele a doença e a cura são claramente analisadas – só falta agir.

A doença – Tolle a chama de “insanidade” – de que a humanidade sofre é a de uma autoimagem absolutamente louca. Nós, seres humanos, nos esquecemos de nossa essência – a pura consciência – e, ao contrário, nos identificamos com coisas que não somos nós: nossos pensamentos, nossos conceitos mentais sobre nós mesmos. Tolle, um alemão que hoje vive em Vancouver, e cujo bestseller O poder do agora foi traduzido para mais de 30 idiomas, desenreda a loucura, à qual chama simplesmente de “ego”, com a precisão de um microcirurgião. Ele define o ego como “uma identificação com a forma, significando, principalmente, formas de pensamento”. Um exemplo disso pode ser Eu sou “um homem”, “um cristão”, “um jornalista”, “uma vítima”, “uma pessoa sem valor”, e assim por diante.

Tolle acredita que a maioria das pessoas não vive na realidade, mas numa imagem conceitualizada dela. Olham para a realidade a partir de uma percepção limitada de si mesmas e do outro. Olham para o mundo a partir de suas crenças. A identificação do ego com imagens mentais e coisas exteriores, como trabalho, carro, bens ou relacionamentos, leva o ser humano a se apegar e se tornar dependente das coisas exteriores a si mesmo. “Eu tenho, portanto eu sou” – este poderia ser o moto do ego. “Querer ter” torna-se uma obsessão continuamente estimulada pela sociedade de consumo.

A emoção subjacente que controla as atividades do ego é o medo – medo de não ser ninguém, de não existir, de morrer. Segundo Tolle, o medo no qual a maioria das pessoas habita é fácil de explicar: “No fundo, todo ser humano sabe que nenhuma forma é duradoura, que todas as formas passam. Por isso o ego sempre conhece um sentimento de insegurança. Portanto, muitas pessoas vivem em um permanente estado de desconforto, desassossego, tédio, medo e insatisfação.”

Para sobreviver, o ego precisa de uma grande quantidade de atenção. Ele é viciado em poder, reconhecimento e conflito e se ocupa de comparar a si mesmo com outros egos. Ele se vê separado dos outros e do mundo. Pensa em termos de “melhor que”, “menos que” e “maior que” e vive pela graça do ataque e defesa. Tolle diz: “Os egos diferem apenas no exterior. No fundo, são todos iguais. Vivem na identificação e separação. Todo ego luta continuamente para sobreviver, tentando se proteger e se expandir. Como quer que o ego se manifeste, a força motriz oculta por trás dele é sempre a mesma: a necessidade de se diferenciar, de ser especial, de ser o patrão; a necessidade de poder, de atenção, de mais. E, é claro, a necessidade de uma sensação de separação, isto é, de oposição, de inimigos.”



Quanto mais você determina sua identidade a partir de seus pensamentos e crenças, mais se afasta de si mesmo, do outro e do mundo à sua volta. Até (ou especialmente) as assim chamadas pessoas religiosas estão estancadas nesse nível. Elas igualam a “verdade” a seus pensamentos sobre a realidade. E porque se identificam totalmente com seus pensamentos, afirmam, numa tentativa inconsciente de protegerem suas identidades, que são as únicas a conhecer a verdade.

As emoções que resultam do viver a partir do ego fazem surgir “corpos de dor”, que carregamos sempre conosco. Esses corpos podem ser ativados por pessoas ou situações (quando alguém nos provoca). Nesses momentos, a pessoa é completamente oprimida pela emoção. Tolle escreve: “O corpo de dor é uma forma de energia semi-autônoma que vive dentro da maioria dos seres humanos, uma entidade constituída de emoção. […] Assim como todas as formas de vida, o corpo de dor precisa se alimentar com regularidade, e o alimento de que ele necessita consiste numa energia que é compatível com sua natureza, isto é, que vibra numa frequência semelhante à sua”. Para o corpo de dor, toda experiência dolorosa pode ser usada como alimento. É por isso que ele se desenvolve tão bem em um pensamento negativo e no drama dos relacionamentos. O corpo de dor é um vício na infelicidade.



Tolle, que quase foi dominado, anos atrás, pela dor e estresse criados por seu ego, conhece a saída desse labirinto. “Somente por meio da consciência – e não pelo pensar – pode-se perceber a diferença entre fato e opinião (crença). Se você não cobrir o mundo com rótulos e palavras, sua vida recuperará a sensação do miraculoso que se perdeu tanto tempo atrás, quando a humanidade deixou de usar a razão e foi possuída por ela.” Segundo Tolle, o reconhecimento da própria insanidade marca o início da cura espiritual. Quando você consegue olhar para seu ego – quando você está consciente – você se livra dele. Consciência e ego não podem coexistir. Sempre que o ego é reconhecido, ele fica mais fraco.

Se mais pessoas reconhecerem seus egos e escolherem a consciência – que significa estar presente no aqui e agora sem ser varrido pelas imagens mentais e emoções do ego –, a transformação para um novo mundo poderá acontecer mais depressa. Tolle escreve: “Pessoas sem egos personificam a consciência desperta que muda todo aspecto da vida em nosso planeta, incluindo a natureza, porque a vida na terra é inseparável da consciência humana que percebe e interage com ela”.

Tolle encerra com uma advertência àqueles cujos egos estão ávidos por uma nova “verdade”: “Você não pode fazer da libertação do seu ego um objetivo a ser alcançado no futuro. Somente a Presença, o ser Agora, pode libertá-lo do ego; nem ontem nem amanhã”. Em outras palavras: O novo mundo já está aqui, agora, se você o quiser.



Faz sentido este livro para aqueles que procuram respostas para as inúmeras perguntas que ainda não querem calar...

Bjos de Luz

Myrian


Fonte: http://www.luz-e-terra.com.br/autor.php?nome=Tijn Touber








Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum